Poemas

O tédio

Nenhum deslumbre colore meu dia
nem desatino desperta-me a noite
visto o silêncio, madrugada insone
degusto o acre da hora vazia.

Neste momento tudo é monocromo
na cela, sombra – espio a loucura
ouço um carpido pejado de agulhas
fechando os olhos, sonho, abandono.

Não há pintura, poema, sonata
que tire a voz da inquietude velada
recubra de luz o transtorno da alma.

Nisto que vivo com punho cerrado
seca de lágrima, sonhos e casas
num tempo ou noutro sou a enfadada.

 

6

Sal que minha mão bebe
Precocemente surda
Traço, arquejo, presságio
Silvo insípido e crasso
Sinuosamente áspero
É sina, é senda, é passo.